BLOG

Search1

Fraude em Links Patrocinados #2 – A Cobrança Esquisita

Fraude em Links Patrocinados #2 – A Cobrança Esquisita

Um caso que vejo muito acontecer. Na hora de cobrar do cliente, a agência responsável pelos anúncios no Google não separa os boletos. Entre créditos do Google e o gerenciamento, mandam um boleto só. Daí eu pergunto: “Tá, mas qual é a parte da agência? Quanto vai para o Google por mês?” E quem paga por tudo quase sempre responde: “Não sei. Tem diferença?”

E que me desculpem as agências e freelancers que cobram dessa forma, mas ao meu ver, é um total amadorismo. Quando não é malandragem mesmo. E a bi-tributação? Pra quê pagar imposto pelo Google e também pela agência? E a desconfiança? Se um cliente paga 2.000,00/mês para a agência, quanto ela repassa para o Google? 1.600,00? 1.000,00? Menos de 1.000,00?

Só aceito que uma agência cobre tudo num único boleto em caso onde o Google é uma pequena parte do orçamento. Ou seja, se há uma campanha muito maior em curso, com Facebook, Instagram, Email Marketing etc. Daí realmente é uma forma de simplificar para o cliente. Mas isso é uma exceção.

Para resolver esse problema, eu diria para quem caiu nessa que exija o acesso à campanha. Mas a coisa já começou tão errada que meu conselho é cancelar tudo mesmo. Certamente, outros erros estão embutidos no processo. Daí procure novos profissionais. Não faltam especialistas em Google no mercado. E pergunte para eles de forma disfarçada. “Quanto custa para eu anunciar no Google por mês?” Se a pessoa responder “2.000,00” sem explicar mais nada, corra.

E se você é uma agência, certifique-se de separar bem as cobranças e dizer claramente o que o cliente está pagando, com planilhas, custos de clique, horas de trabalho e tal. Isso servirá até como argumento para fechar negócio.

Veja também os outros posts da série:
Fraude em Links Patrocinados #1 – O Concorrente Xarope

Quer saber mais? Acompanhe os posts da Search1. Falamos sobre Marketing Digital de forma simples e direta. Também com certa dose de filosofia e reflexões sobre o mercado.
http://search1.com.br/blog/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *